Arquivo da tag: (des)memórias

Antonio

Por que foi fazer isso, assim, de uma hora pra outra? Quando foi que você resolveu que se instalaria no sofá, ali ao meu lado, enquanto eu assistia aquele seriado dos médicos e o Dr. Pratt parava de fazer massagens … Continuar lendo

Publicado em literatices e escrivinhações | Marcado com , , , | 10 Comentários

A Balada de Narayama, uma cena (em dois tempos)

[Primeiro uma sinopse encontrada — e encurtada — por aí, pra relembrar. Depois, uma cena do filme.] Japão, fim do século XIX, um pequeno vilarejo aos pés do monte Narayama. Ao completar 70 anos de idade, seus moradores deveriam subir … Continuar lendo

Publicado em cinema, memórias | Marcado com , , | 17 Comentários

Zazen

Andar pela babélica Copacabana. Faço isso com alguma frequência (não muita), já que nela habito. E tenho sorte, meus pés ainda não carecem do equilíbrio necessário para evitar entorses, por mais que as calçadas de pedras portuguesas os ponham à … Continuar lendo

Publicado em (re)flexões | Marcado com , , | 5 Comentários

Arturo

O sujeito da foto aí ao lado é Arturo Toscanini. Gosto dele, mais ainda por se chamar Arturo, nome de um velho amigo mexicano que, como o Toscanini, calhou de ser regente de orquestra, pena que ainda muito longe da … Continuar lendo

Publicado em singelezas | Marcado com , | 8 Comentários

Um nada de quarta

Tenho uma amiga recente que gosta muito do falecido seriado Seinfeld — “falecido pra você, seu ingrato!”, não é bem a frase que ela diria, mas suponho que o espírito lhe fosse próximo —, e eventualmente pontua algumas situações com … Continuar lendo

Publicado em nadas | Marcado com | 9 Comentários

Poemínimo platoníssimo (e mentiras seminais)

Zizi, nunca mais te vi. Como crer que não te esqueci? [De um velho álbum do início da década de 70, século passado.] Sete anos atrás, li A Marca Humana, de Philip Roth — livro que neste momento pousa sobre minha … Continuar lendo

Publicado em Livros | Marcado com , | 12 Comentários

Acerto de contas com "Casanova", de Fellini

[Encontrei este desenho aqui] Sim, vi tudo o que pude de Fellini. Mas assumo que do supracitado filme guardo apenas três cenas, e só salvo a primeira: 1) o famoso recurso do “mar de celofane”, que a maioria costuma associar … Continuar lendo

Publicado em cinema, memórias | Marcado com | 11 Comentários