Arquivo da categoria: literatices e escrivinhações

Trabalenguas

Tegucigalpa, Kota Kinabalu, Tlacotalpan. Nhandeara. E Fez, claro, pegando o ferry boat em Algeciras como se fosse pra Itaparica. Por quê? Porque sonoras. “Onde você mora?” “Te-gu-ci-gal-pa”, com todas as sílabas bem tônicas. “Pra onde você vai?” “Ué, pra Tla-co-tal-pan, … Continuar lendo

Publicado em tolices | Deixe um comentário

Posta Restante, um excerto

Mas pensei em te escrever pra contar do meu dia. Pouca coisa, só o de mais importante para mim. É que foi um dos difíceis, como boa parte deles nesse último ano e meio, começando pela dificuldade de levantar — … Continuar lendo

Publicado em bloguices, conversê, mínimos | Deixe um comentário

Rancor

Parou na frente da banca de óculos para vista cansada, cruzamento da Nossa Senhora com Figueiredo, feliz pelo par de dois graus oferecido pelo rapaz magro e de meio sorriso ter dado conta não só do primeiro parágrafo do pedaço … Continuar lendo

Publicado em amor, literatices e escrivinhações | Deixe um comentário

Amigo

Além de laço de cadarço, só conhecia nó cego. Foram quatro, um para cada mão e pé, todos bem firmes na cadeira. Deu tremedeira, um cagaço danado de algo sair errado, então resolveu checar. Todos corados, ufa!, bom não ter … Continuar lendo

Publicado em literatices e escrivinhações | Marcado com | 3 Comentários

Antonio

Por que foi fazer isso, assim, de uma hora pra outra? Quando foi que você resolveu que se instalaria no sofá, ali ao meu lado, enquanto eu assistia aquele seriado dos médicos e o Dr. Pratt parava de fazer massagens … Continuar lendo

Publicado em literatices e escrivinhações | Marcado com , , , | 10 Comentários

A culpa é do tradutor

Gosto do I Ching porque é chinês. Ou seja, veio do outro lado do mundo, foi traduzido de um idioma esquisito e difícil pra chuchu, é da terra duns caras que fazem umas lutas muito malucas que ficam lindas em … Continuar lendo

Publicado em tolices | 2 Comentários

Perversão

Um pacto bem simples: entre os dois só a verdade, sempre, não importasse qual. Ligou pra Lúcia, amiga de infância de Sílvia. Preciso conversar com você, pode ser às sete?, te apanho no trabalho. O primeiro chope nem pela metade … Continuar lendo

Publicado em mínimos | Marcado com , , , | 8 Comentários