Arquivo do autor:dazibaonomeio

O que não é o que não pode ser que não é.

O carro que não tranca, que dormiu na rua e que não é meu. A carteira com documentos, cartões e dinheiro esquecida dentro dele. O desespero quando de manhã cedo me dei conta disso que está escrito na frase anterior. … Continuar lendo

Publicado em conversê, mínimos, nadas, tolices | Deixe um comentário

Duas ou três das mil e uma noites

Três doses de whisky vagabundo. E numa tristeza da porra. Sim, o fato dela estar sozinha no hospital neste instante, ela que quase morreu, ela com quem vivo há vinte anos enquanto eles, esses burocratas, esses escrotos mal saídos dos … Continuar lendo

Publicado em Ainda pagãos | Deixe um comentário

Tendências

Há o discurso dedo na cara, cenho franzido, que moraliza de maneira fulanizada e persecutória, buscando que o seu objeto admita, assuma e peça perdão, compungido, embora nunca vá ser de fato perdoado. Há o discurso escrachado, de humor duvidoso, … Continuar lendo

Publicado em (re)flexões, política | Deixe um comentário

Efemérides

3 de junho 1553 – Inauguração da Universidade do México. 1749 – Fundada a Universidade do Panamá, denominada Universidad de San Javier. 1875 – Morre George Bizet, músico francês. 1901 – Nasce José Lins do Rego, escritor brasileiro. 1906 – … Continuar lendo

Publicado em nadas | Deixe um comentário

Cosme Velho

E se eu te disser que ontem, quando fui te ver no seu apartamento de três quartos, me espantei do amplo que é porque lembra muito o meu em Brasília, anos setenta, só que ao redor é bem mais arborizado … Continuar lendo

Publicado em literatices e escrivinhações | 1 Comentário

Um e outro

Não é difícil, para alguns, afirmar como é óbvio que Deus não existe, que se trata de pura ficção, mera crença sem fundamento. Tampouco é difícil, para os que creem em Deus, garantir que sua existência é cristalina, mais do … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Sinuca de bico

Faço porque quero. Faço porque posso. E gozo com isso. E mais quero fazer o que quero. Porque posso. Mas sempre tem um mas, é só passar o tempo e ele aparece. E neste caso é o gozo, aquele inaugural, … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário