Arquivo da categoria: (re)flexões

Primeira primeira vez

Todo dia ela faz tudo sempre igual Me sacode às seis horas da manhã Me sorri um sorriso pontual E me beija com a boca de hortelã.* Todo dia. E de tanto cotidiano, do tanto que o viver da gente … Continuar lendo

Publicado em (re)flexões, cotidiano, singelezas | 4 Comentários

Um gosto ora bom ora ruim, ora.

Meio-dia e meia, a hora em que cheguei na avenida Atlântica. Uma concentração até que significativa, pena que só se estendia pelo quarteirão entre a Figueiredo de Magalhães e a Siqueira Campos. Muitas bandeiras e vários balões da CUT e … Continuar lendo

Publicado em (re)flexões, política | Deixe um comentário

Ontem e hoje

Sabe qual é a diferença? É que dez anos atrás havia certo orgulho no ar, visível quando conversávamos com gente de fora do Brasil. Era uma sensação nova para muitos de nós, diferente daquela vivida nos primeiros anos da redemocratização. … Continuar lendo

Publicado em (re)flexões, memórias | Deixe um comentário

Independência ou

Não adianta. No que me diz respeito, o dia 7 de setembro continua pertencendo à ditadura militar. Fazer o que, é algo arraigado ao sujeito que sou, esse que nasceu justo no ano do golpe aquele. E mais, essa rejeição … Continuar lendo

Publicado em (re)flexões, murmúrios | Deixe um comentário

Trifeta* combinada**

Sábado almocei um pintado na brasa nesse lugar da foto ao lado. Nenhuma maravilha, nada que me faça salivar quando lembro, nem que me dê vontade de voltar a esse lugar(-)comum em Copacabana, de clientes, na maioria homens, com idade … Continuar lendo

Publicado em (re)flexões, murmúrios, nadas | 2 Comentários

Te digo qué se siente

“Messi e Mascherano apoiam a luta das avós da Praça de Maio”, dizia a matéria onde encontrei essa foto. É notícia velha, anterior à Copa, mas que vale ser reeditada por ter contribuído para outra, bem recente: o belo desfecho que foi o … Continuar lendo

Publicado em (re)flexões, política, sociedade | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário

Sou onde não lembro

Nada como esquecer de si e, tempos depois, acabar sendo lembrado de si ao encontrar alhures algo que há muito havia em si.

Nota | Publicado em por | Deixe um comentário