Anti-maktub

“Estarei em breve apesar de tudo completamente morto enfim. Será então o mês de abril ou dê maio. Pois o ano avançou pouco, mil pequenos indícios me dizem isso. Pode ser que me engane e que passe do São João e até do Quatorze de Julho, festa da liberdade. Que digo, sou capaz de chegar à Transfiguração, se bem me conheço, ou à Assunção. Mas não acredito, não acredito que me engane ao dizer que esses festejos terão lugar sem mim, este ano. Tenho esse sentimento, eu o tenho há alguns dias, é confio nele.”

(Primeiras linhas de “Malone morre”, do Samuel Beckett, que resolvi ler a partir da recente entrevista de uma Beatriz Sarlo já confinada por conta da pandemia do novo coronavírus.

Espero prolongar a leitura, não convém ter pressa. Quem sabe termino em setembro, quando uma certa curva estiver na descendente, se parte de tudo der certo.)

Esse post foi publicado em Ainda pagãos. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.