Atraso

Vai ver foi o bem-te-vi da árvore aqui em frente, cantando nas horas menos bem-te-vianas que já tive notícia. Ou os braços direitos de doze feirantes martelando madrugada adentro, tabicando e aprumando suas barracas junto com outros três de braços esquerdos e mais cinco ambidestros como em toda quarta-feira que se preze, até na de Cinzas. Pode que fosse coisa do 737 e do E-190 a seiquantos pés pra cima e a seiquantos quilômetros mais daqui rumo a São Paulo, Campinas, o senhor quer uma barrinha de cereal com suco de laranja e café aguado?, sem falar no moço varrendo a calçada, e em mais um nem tão moço lavando o carro, e nos micos, uma família inteira guinchando quero fruta, mas chega de banana, quero é kiwi, grapefruit, nêspera, carambola, umbú e cupuaçú, tem graviola?, e de novo o bem-te-vi agora pedindo calem a boca que eu quero dormir, tô exausto, cantei a madrugada inteira. E ainda não contei a Rê à minha esquerda, ressoando de leve, dizem que é sinal de cansaço então melhor deixá-la assim, dormir nem que só mais um pouco, hoje a jornada deve ser linda e longa pra ela. Mas e se não for nenhum deles? E se justo essa grande sinfonia dodeca e cacofônica estiver noutra freguesia, noutro plano, noutra década? E se eu só fiz ou faço narrá-la, entre nostálgico e conformado com o destino de mais um dia, só que de sonhar nem parei ainda? E se na verdade a culpa for da dor de ouvido que começou ontem à tarde, seguiu suportável até Morfeu e o cansaço me fazerem dormir e depois o cocuruto, o meu insondável cocuruto resolvesse me pregar uma peça, me fazer achar que acordei por conta dessa barulhada toda, mas na verdade ainda nas primeiras horas de sono fiquei surdo feito a dona Nena do 302 com seus noventa e um anos e que até o ano retrasado saía sozinha por esse mundão sem deus, crente que ia voltar, e hoje não sai mais porque morreu ano passado; surdo feito porta, o que é estranho se pensarmos que porta nenhuma escutou na vida; surdo feito um morto, que esse sim já foi vivo e se não nasceu surdo escutou; tão surdo, mas tão surdo que foi isso, o meu insondável cocuruto ficou com pena de mim e trouxe uma barafunda de lembranças dos sons que me acordaram nos últimos vinte e um anos, pelo menos os anos com a Rê, e assim tive a impressão de que foi só mais uma madrugada que virou manhã e com isso me atrasei pra ir pro trabalho, droga, não vai dar tempo nem de tomar café.

Esse post foi publicado em Ainda pagãos. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.