Se

Se todas as fronteiras fossem visíveis, bem demarcadas. Se fossem coalhadas de avisos, em todas as línguas. Se, além de dizerem que há uma fronteira ali, esses avisos informassem quais delas, uma vez ultrapassadas, não permitem que se retorne. E que houvesse sirenes e guardas instruindo os desatentos, avisando-lhes quando for esse tipo de fronteira, alertando quando não der para simplesmente experimentar o outro lado e depois dar marcha a ré caso não seja o melhor dos mundos. Será que haveria menos erros graves, menos arrependimentos, menos amizades desfeitas, menos desatenção, menos algozes e vítimas?

Será?

Anúncios
Esse post foi publicado em (re)flexões. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s