Ainda há pouco

No balcão, depois do trabalho.

No balcão, depois do trabalho, tomando sakê.

No balcão, depois do trabalho, tomando sakê e lendo um artigo, enquanto espero uma dupla de enguia.

No balcão, depois do trabalho, demorando a terminar o sakê e a terceira página do artigo, olhando com pena para a segunda unidade da ex-dupla de enguia, pena de comê-la e daquele festival de sensações que inunda a minha boca acabar logo.

No balcão, depois do trabalho, pedindo o segundo sakê e lendo, extasiado, já não sei mais que página do artigo, esperando o dono do restaurante me recomendar outra iguaria, a mais esquisita que passar pela cabeça dele, enquanto o prato e o masu, aquela caixinha onde se bebe sakê, me olham vazios.

Lendo um balcão depois do artigo, digo, pedindo para encher o artigo vazio, quer dizer, mais sakê, por favor, e por fim chega a dupla de ankimo de tamboril — o fois gras japonês, veio dizer o dono num português sorridente e sofrível — e depois de comer o primeiro, penso que o artigo, que responde por “Onde começam os erros de Lacan“, faz ainda mais sentido e que o Peter Sloterdijk só não é meu novo herói porque não pretendo começar a cultivar heróis depois de velho, e depois do segundo ankimo só quero saber do que paira no céu da minha boca, de papilas para lá de gustativas, de sorrisos imperceptíveis ao olhar alheio por serem meus e eu ter certeza que ninguém está me observando, e de voltar logo pra casa, e compartilhar com a Rê tudo isso menos sobre os erros de Lacan, que o negócio dela é o Freud mesmo, e combinar de ampliar a minha dose e inaugurar a dose dela no fim de semana, o menu degustação, por favor, porque a gente merece rir um com e do outro, e ainda mais pelo prazer de estarmos juntos há quatorze anos e querer refestelar-nos, regozijar-nos e quantos ar-nos ainda dermos conta juntos, enquanto seu lobo não vem.

Anúncios
Esse post foi publicado em amor, cotidiano, receitas, singelezas. Bookmark o link permanente.

7 respostas para Ainda há pouco

  1. Colafina disse:

    Faz logo uma coletânea dos seus artigos, não, não, faz duas, três duma vez, publica e corre pro abraço, cara…

    Curtir

    • Ricardo C. disse:

      Um dia vou fazer, meu amigo, com um pouco mais de volume e apurando a maioria dos textos, um dia faço essa sandice. 🙂

      Grande abraço, meu amigo, e espero que esteja dando para aguentar a saudade da filhota

      Curtir

  2. conf* disse:

    pois eu entrei no post com uma certa melancolia nessa segunda de manha, meio

    stressada ja por alguns cafézinhos e puis…plaft, essa sua sensaçao de balcao

    japones me pegou de jeito, me deu vontade de coisas lentas e curtidas….

    pena eu estar tao ocupada

    pessoa querida, vc

    Curtir

  3. Colafina disse:

    Por enquanto está suportável… daqui um mês ou dois, já não sei como será! 😛
    Abraço!

    Curtir

  4. Danilo A. disse:

    Ricardo, puta inveja de você. De como você escreve, e pelo sentimento que lhe inspirou o post.

    Curtir

  5. Ricardo C. disse:

    Que é isso, Danilo, puta escritor que você é, não tem motivo pra me invejar. Mas pode ter certeza de que fico contente por você ter gostado do que leu, viu?

    Abração

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s