Estrogênios

“Caraca, eu lá, toda me insinuando, querendo ficar com ele, e ele me despreza… Que homem é esse, que me esnoba desse jeito, que me faz sentir uma merda, a última das mulheres?” J., 26.

“Se você quer transar mesmo sem eu estar afim, a gente transa. É isso que você quer? Não vai ser legal, acho que nem você vai gostar. Mas se quiser mesmo assim tudo bem, eu abro as pernas e você goza.” L., 30.

“Não, meu bem, me deixa, agora não quero. Acabei de chegar, estou toda assada e morta de sono. Fodi a noite inteira, deixe eu dormir.” A., 28.

“Entenda, a gente não é mais amante. As coisas mudaram, você sabe disso. Esqueça, não vai acontecer. Não com você.” S., 39.

“Você devia era fazer teatro. Fica aí, nesse lugar de pobre coitado. Coitada queria ser eu, que não vejo um pau faz séculos!” T., 40.

“Nunca amei alguém como ele. Eu sabia que no fundo bem que ele gostava de homem, mas a gente se dava tão bem na cama, éramos tão amigos, tão parceiros… Quando ele desistiu da gente ter um filho porque se apaixonou por um cara, surtei.” G., 34.

“Tô arrasada, eu odeio ela! Ela me larga, depois enche a cara e me liga às duas da manhã… E eu, babaca, ainda vou! Mas eu vou queimar aquele pinto de borracha. Era nosso, ela não vai usar com nenhuma daquelas vagabundas que anda comendo!” D., 25.

“Minha mãe pegou a gente junto. Eu terminei com ele, só por causa do preconceito dela. Não me aguentou ver com ele. Eu sei, ele é um mindingo [sic], mas eu amo ele, eu amo ele!” A., 17.

“Você foi embora, e eu sofri pra caramba. Foram dez meses longe, dez meses. Não deu. Não, não vou me desculpar. Estou morando com ele faz duas semanas.” A., 19.

.

[Mais um texto velho. O trabalho anda ocupando todos os neurônios que já andam cansados esperando o ano acabar.]

Anúncios
Esse post foi publicado em acidez, mulher e marcado , , , , . Guardar link permanente.

14 respostas para Estrogênios

  1. Ricardo C. disse:

    Marcelo,
    Algumas foram ouvidas de terceiros, há uma ou outra assistida no cinema, no teatro, pescada entre os passageiros do metrô, em botequins… Claro que há um “meio tratamentozinho literário”, nenhuma foi exatamente como aí está.
    Ah, e faltou dizer a a imaginação tem lá as suas fertilidades tb!

    Curtir

  2. Marcelo disse:

    Ricardo,Onde você coletou essas frases?Darwinista

    Curtir

  3. Marcelo disse:

    Bom, seja lá de onde você tirou, e qual tenha sido sua liberdade criativa, essa coletânea tá sensacional! Já salvei algumas aqui pra mim. AbraçoDarwinista

    Curtir

  4. Guilevy disse:

    Estou assistindo à série “Deadwood” (velho oeste – brutal e ótima) e o seu universo feminino de prostitutas e madames renderia um monte de outras frases assim.E “Testoteronas”, também sai?Se precisar de ajuda, colaboramos.

    Curtir

  5. Ricardo C. disse:

    Darwinista, uma única dica me permito te passar. Há uma frase tirada do filme Carne Trêmula, do Almodóvar. Claro que a original era muito melhor, mas fiquei com preguiça de rever o filme para copiá-la pura e simplesmente. É certo que a minha “licença poética” empobreceu a versão original…Abraço

    Curtir

  6. Ricardo C. disse:

    Guilevy, não tinha pensado em testosteronas, por pura falta de imaginação. Se me animar a escrever, esteja certo que pedirei ajuda a alguns colaboradores!Abração

    Curtir

  7. Mariana disse:

    E essa coletânea segue com brilhantismo os passos almodovarianos, ao retratar as deliciosas insanidades (sexuais) femininas!Bjos.PS.: é a frase três a de Carne Trêmula, não é?

    Curtir

  8. Ricardo C. disse:

    É o que me lembro dela, Mariana… E como disse pro Darwinista, a original é muito melhor, tenho certeza!Bom vê-la por aqui. Apareça sempre!Beijos

    Curtir

  9. Pingback: Ricardo C.

  10. Guilherme disse:

    Eu adoro! Mas repito que faz um chamado “testosterona” agora! Hahahahaha

    Curtir

  11. Guil Kato disse:

    Agora só falta vocês escrever a “testosteronas”… kkkkkk

    Curtir

  12. Rafael disse:

    Ricardo,

    Chope hoje, sábado, 27 de novembro, no Astor (antigo Barril 1800), posto 8, Vieira Souto. Fechado? 🙂

    Curtir

  13. Pingback: O pensador selvagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s