Mescalina, psilocibina e azeite de dendê

Rodoviária de Nanuque, nordeste de Minas, 6:17 a.m. Ônibus para Belo Horizonte, só às oito e meia. Cadu e a irmã — hoje não se dão bem, há doze anos sim —, sonolentos da maratona iniciada em Itupeva (três e meia da madrugada), léguas de chão de terra batida atrás. Levanta-se ela e compra um jornal local, querendo enganar o tempo que teima andar mineira e baianamente devagar. Um minuto só e ele já escuta um “Posso dar uma palavrinha com o senhor?”, moça de uns dezenove se tanto, trança rapunzeliana, saia de escolar abaixo do joelho, manga comprida e colarinho abotoado, naquele calor abafado, tadinha… Tadinha nada!, “A Sentinela” na mão, aquele conhecido jornal dos Testemunhas de Jeová, “saco!” (Apenas pensado, por sorte…) Segue-se um “Pois não?”, de sorriso meia boca. “É que gostaria de lhe oferecer um exemplar da palavra do Senhor…”. “Muito obrigado, senhorita, mas é que sou agnóstico”, a pobrezinha agora sem entender, fazendo aquela cara de por favor me ajuda pro sujeito um passo atrás, que parecia uma espécie de supervisor do que seria a primeira transação comercial-religiosa daquela devota, ex-tadinha. E Salvador — digamos que fosse o nome do sujeito — se aproxima do agora herege, “O senhor disse… ateu?”, e a resposta em forma de “Não, eu disse agnóstico, porque não afirmo a inexistência de Deus, só penso que a compreensão dessa existência é inacessível ou incognoscível ao entendimento humano, daí que é inútil indagar-nos sobre isso”, uma réplica tirada do dicionário Houaiss e o Cadu já bem desperto, calibrando as armas. Pois Salvador rebate num “É porque o senhor ainda não deixou o seu coração ser tocado pela Palavra…”, treplicado com “Engano seu, fui religioso praticante, mas dadas as incongruências e incoerências do catolicismo…”, contestado pelo “Ahá!, eu sabia que o senhor não tinha ouvido a verdadeira Verdade” de Salvador, seguido do “Peraí, me escute um pouco…”, um freio meia-sola, mas funcionou.

(A irmã-hoje-desafeta agora assiste, sentada metros à frente, de camarote. Sabia — hoje não sabe mais — o irmão que tinha, e pôs-se a mirar a cena.)

“Meu caro”, é Cadu no comando, “estamos aqui, você… posso chamá-lo de você? Ótimo! Então estamos você, eu, sua aluna e todos aqui na rodoviária, acreditando piamente que levamos uma vida autônoma”“Guiados por Deus!”, Salvador inflamado, “Calma, paciência, me escute um pouco”, Cadu com as rédeas de novo. “Imagine, só imagine que tudo isso não passa de uma ilusão”, e Salvador com ar de como-assim?? não dá nem um pio e põe cara de sim, continue, ao que retoma Cadu: “Pois é, suponha, apenas suponha que ontem à noite você foi dormir”… “O sono dos justos!”, não se aguenta o Salvador, “Tudo bem, vá lá que dos justos. E enquanto você dormia, não se assuste, mas te conto que uns filhos do demo te anestesiaram, abriram teu crânio, tiraram o teu cérebro inteirinho lá de dentro e puseram ele numa bacia cheia de uma espécie de gelatina que eles chamam de ‘nutrientes’… Pera mais um pouco, sossegue essa ira santa mais um segundo que já já eu termino… não, eu vou é te contar de outro jeito que é pra tirar essa sua cara de não entendi patavinas… já sei!, imagina que teu cérebro é um peixe, que o peixe tá num aquário, que a água do aquário tá cheia de comida pra peixe e que nesse aquário, que na verdade é uma bacia, em vez de comida pra peixe tem comida pros miolos, e que além do mais aqueles filhos do cramunhão espetaram um monte de agulhas com fios, ligadas numas máquinas parecidas com aquelas de hospital e que servem pra te manter vivo, sabe quais?, porque a gente sabe que peixe nada e come sozinho, mas cérebro não”… “Oxe, que diacho, isso não existe, só pode ser sacrilégio!”, “Né não, caaalma, meu jovem, que você não sabe do que esses gringos são capazes… Mas deixe eu continuar. Pois então você, ou melhor, a tua massa cinzenta, agora tá lá, na bacia, e os sem mãe ficam apertando uns botõezinhos nas máquinas, e elas dão uns choques nesse teu monte de miolos… e não esqueça, você tava dormindo quando isso tudo começou, e aí esses choques fazem você acreditar que está acordando, e os pai-d’égua dão outros choques e você começa a sentir o seu corpo, e acha mesmo que está deitado na cama, na sua própria cama, a que fica no seu próprio quarto, e então toma mais uns choques e pronto, senta na cama, e outro choque e abre os olhos, e vê tudo no lugar de sempre, e mais uns choquinos e se levanta, veste esse seu terno puído e vem aqui pra rodoviária, se encontra com sua aluna, e manda ela falar com aquele sujeito, sim, eu mesmo!, e você nem desconfia que é tudo choque junto com comida pro seu tutano, e aproveitando que está na cara que ele, ou seja, eu, não é, ou seja, não sou, de Nanuque, você diz pra sua aluna, sem saber que nem ela e nem você estão lá de verdade, pra ela falar dessa tal Verdade com ele, ou seja, comigo, sem saber que no fundo isso tudo é só um monte de choque, uma pá de estimulação no seu cocuruto, e que o teu mundinho não passa de um mentirinha, e que a verdadeira verdade é que eu não estou aqui, a sua aluna também não, a rodoviária e todo o resto também não, é pura descarga de eletricidade naqueles miolos lá na bacia, que se bobear podem nem ser os seus, vai ver que são os meus e é você que não existe, que é coisa que aqueles discípulos do chifrudo puseram no meu próprio cocuruto, e que”… “Desculpe senhor, com licença, a prosa está boa mas preciso ir embora, desculpe de novo incomodar o senhor”, e lá se vai Salvador, siderado e apressado, levando a aluna-rapunzeliana-ex-tadinha pelo braço, com os sovacos encharcados e as ideias confusas.

Cadu sorri, se espreguiça, estende e apoia os braços no espaldar do banco da rodoviária de Nanuque, a irmã-com-quem-nunca-mais-falou ainda na plateia, cúmplice daquela nova empreitada gestada ali, às 7:14.

“Uma religião só minha. Por que não?”

.

[É de 11 de janeiro de 2008, às 23:53. De tanto ver ateus e teístas debatendo deus(es) blogosfera afora, lembrei desse conto.]

Anúncios
Esse post foi publicado em acidez, histórias, literatices e escrivinhações e marcado , , , . Guardar link permanente.

37 respostas para Mescalina, psilocibina e azeite de dendê

  1. Pax disse:

    Ou estou louco, tomara, ou já tinho lido essa. Que é muito boa, por sinal.E o caso com a irmã é autobiográfico?

    Curtir

  2. Ricardo C. disse:

    Não está louco não, Pax, eu já tinha te mandado por e-mail uma antiga versão dele. Fiz alguns acréscimos, porque uma coisa é ter a imagem clara na sua própria cabeça, e outra é saber se fica tão claro pros outros quanto pra você, né?E não, o caso da irmã não é autobiográfico, puxei de irmãos dos outros.

    Curtir

  3. Pax disse:

    Putz, que pena, não estou louco.Agora lembrei. É que gostei desse texto quando li. Mas era mail, não blog. Sabia que conhecia. Cá uso mais ou menos assim mesmo quando me chegam os proselitismos.ps.: ainda bem, sobre a irmã. Você tem?

    Curtir

  4. Ricardo C. disse:

    Tenho, uma mora em Salvador e outra mora em Florença. E ambas me deram sobrinhos super bacanas!

    Curtir

  5. Nat disse:

    Pax já tá de olho nas irmãs do Ricardo hehehe

    Curtir

  6. rafael disse:

    Muito bom Ricardo, mas eu vou me achegar com minha lugubridade: se Cadu leva realmente a sério o que ele disse, não tem razão alguma para viver, pois sua existência na verdade não existe.Se estivesse no lugar de Cadu eu seria mais afeito à dicotomia cartesiana: penso, logo existo. Minha consciência é tudo que posso provar que existe, o lá-fora é especulação. Acredito no último por não ter alternativa à mão, é uma profissão de fé.Eu, hein!

    Curtir

  7. Sidney Mirandão disse:

    Ô de casa! Dá licença?Agora entendi seu comentário no Doria, sobre a fecundidade da literatura em comparação com as guerras…Muito bons textos! Obrigado pela publicação deles.Mas para não perder meu costume de chatear, Nanuque no Sul de Minas deve ter sido um lapso. Já ouvi brincadeira dizendo que Nanuque é a primeira cidade do sul da Bahia… Nanuque fica no sertão, polígono das secas e tudo. Palavra de mineiro!Aquele abraço!

    Curtir

  8. Ricardo C. disse:

    Sidney, foi um lapso dos brabos! Conheço a cidade, ainda que a última vez em que estive lá tem quase duas décadas… E como cheguei lá vindo da Bahia — como vc disse, dizem mesmo que é a primeira cidade do sul da Bahia, hehehe! —, ficou essa história de “sul de”… E não é que errei de estado? Já corrigi, parei de passar vexame!Abraços

    Curtir

  9. Monsores, André disse:

    Ricardo,Da próxima vez que for parado pelos insuportaveis donos-da-verdade-verdadeira, saberei o que fazer.Obrigado.

    Curtir

  10. Ricardo C. disse:

    Rafael, deixe eu te contar que Cadú é um sofista preguiçoso e malandro, que parece que se divertiu muito estremecendo as convicções do tal do Salvador e de sua aluna. Já quanto à dicotomia cartesiana, não acredito que ele seja um defensor da mesma. Aliás, soube que ele andou silenciosamente por este blog e leu um velho(?!) post, e me disse que era a cara dele. Siga o link, quem sabe vocês dois não acabam tendo uma conversa filosófica das boas…Abração!

    Curtir

  11. Ricardo C. disse:

    Monsores, vc lê melhor em inglês ou em francês? Pergunto por ter tirado a inspiração para a parte “teórica” de um livro do Daniel Dennett, “Consciousness Explained”, do qual tenho a versão em francês, “La Conscience Expliquée”. Ele é um filósofo da mente pra lá de interessante!

    Curtir

  12. Monsores, André disse:

    Ricardo,Inglês é meu forte. Francês, masomen, sabe como é?

    Curtir

  13. confetti disse:

    tou com pressa mas li mescalina e dende !! e por ai….kkkk

    Curtir

  14. Ricardo Cabral disse:

    Confeeeeettiiiiii!

    Curtir

  15. rafael disse:

    haha, boa Ricardo. É sempre bom levar uma rasteira dessas e voltar ao lugar.Mas ainda assim me atrevo: se Cadu se identificou com aquele post, eu ainda teria a marra de provocá-lo com a idéia de que ele, sua irmã, o salvador e sua discípula não “são”, em si, algo com existência autônoma (que é o que ele argumenta), tampouco algo manipulável. Diria a Cadu que não existem seres e objetos, o que existe são as relações entre eles. A rodoviária não existe sem os 4, os 4 não existem sem a rodoviária. E, acima de tudo, os 4 não existem sem os outros 3.Eu, hein! (2)

    Curtir

  16. Alexandre A. disse:

    Bom, não sei direito o que falar.A patroa aqui é Testemunha de Jeová, em mostrando o texto à ela creio que a receptividade não será lá essas coisas.Fico na minha, depois de 15 anos sem um interferir na crença do outro é melhor deixar quieto.:-)

    Curtir

  17. Ricardo C. disse:

    Ale, essa estória passa longe de ser crítica aos seguidores dessa religião, meu amigo. E de mais a mais, até onde pude observar, a Tia não se mostra nem um pouco fanática ou bitolada, sempre li da parte dela visões bastante ponderadas e tolerantes em relação às diferenças. Poderia ter sido alguém da Igreja Universal do Reino de Deus, um par de mórmons, Hare Krishnas ou sei lá o quê. Trata-se apenas de um conto onde alguém começa com uma atitude de catequese, de conversão do outro a sua crença, e do pretendente a convertido mostrar-se um relativista meio anárquico, ainda que sem a intenção de ser propriamente desrespeitoso com a fé alheia. Aliás, o sujeito responde com um “não obrigado, sou agnóstico”, mas quem mandou o outro entender “ateu”, não é?Se você resolver mostrar o conto para a Tia, não deixe de mostrar também este meu comentário, sobretudo pelo fato de que eu também sou agnóstico, mas sou um grande respeitador das crenças alheias, além de muitíssimo interessado nas manifestações religiosas e no lugar que elas têm na história da humanidade!

    Curtir

  18. Alexandre A. disse:

    Cabral, é vero, a patroa aqui não é nem um pouco bitolada.Por isso a gente se dá bem.É que fala textualmente “O Sentinela na mão, aquele conhecido jornal dos Testemunhas de Jeová”, na verdade o nome da revista (não jornal) é “A Sentinela”.De boa, foi só uma observação, o conto é realidade do que ela vê, passa e me conta quando está em serviço de campo, estão acostumados, no problem.Interessante é que o conto mostra essa realidade da pregação.Ih, tô entrando num assunto que não gosto muito, prá mim cada um na sua que fica “mió”.Bração aí.kkkk rsrsrsrsrs:-)

    Curtir

  19. Ricardo C. disse:

    Então vou aproveitar e corrigir, viu?Bração procê tb!

    Curtir

  20. CLR disse:

    Bá… que massa este texto hehe…

    Curtir

  21. Pingback: Agnosticismo, ateísmo e um gosto pela religião | Ágora com dazibao no meio

  22. Em certo trecho e até em certas palavras vi um tal de Dom Juan aparecendo forte. Ele existe para vc?

    Curtir

    • Ricardo C. disse:

      Não tive o prazer de travar contato com ele, Dirceu, de espécie alguma. Mas seria interessante conhecê-lo.

      Curtir

      • Carlos Castaneda, do início ao fim, lhe trará surpresas inconcebíveis.
        É preciso que leia na sequência das publicações…

        Curtir

      • Ricardo C. disse:

        Caro Dirceu, talvez tenha razão, embora eu confesse um tiquinho de má-vontade com o autor. Tendo morado no México e conhecido alguns bruxos bem interessantes por lá, fico com a impressão de que a leitura do Castaneda até me oferecerá muito, mas para alcançar aquilo de que necessito, precisarei “limpar” muito o “terreno” de sua escrita, desbastando-a daquilo que chamarei de “filosofia Lobsang Rampa” (ou atualizando, “filosofia Paulo Coelho”), um “caminho” que pouco me atrai…
        Como vê, há muito preconceito em mim, preconceito que reconheço e do qual não me orgulho. São as minhas limitações, e digo isso sem ironia. Se eu fosse mais livre, é certo que encontraria sabedoria em qualquer lado, até no meio das pregações de falsos profetas!
        Volte sempre e boa sorte na empreitada de parar de fumar.

        Curtir

      • Ricardo,
        Seus assuntos são invariavelmente bem colocados, não dando espaço a palavras ao vento… Isso me agrada muito. Espero sempre ter a satisfação de trocar…

        Por isso apenas replicarei com meu sentimento de ser um priviligiado em ter lido os nove livros do Castaneda antes de saber da existência dos Coelhos que os Paulos escreviam (nome apropriado à proliferação de filosofia barata). E pelo mesmo motivo que você, jamais pretendo ler uma única palavra do “Maior escritor do Brasil”.

        ME DÁ UM CIGARROOOOOO!!!!

        Curtir

  23. Ricardo C. disse:

    Não, não dou um cigarro! Resista, nem que seja até o ano que vem!!!
    😉

    Curtir

    • Dirceu Barquette disse:

      Segundo os manuais não devo dizer “estou parando de fumar”, mas “parei de fumar”.

      Pois bem…

      PAREIIIIII 😀

      Obrigado pela força. Amanhã completo uma semana. Aliás tentei parar sem artifícios, mas a “patroa” apareceu com chicletes e patches antes do iminente divórcio…

      Curtir

  24. aline disse:

    hahahahhahhaha

    no meio da fala do Cadú eu comecei a pensar “Matrix …. não, não… Descartes….. não… LSD”
    Aí chegou o fim. hahhahahaha

    Curti! 🙂

    Curtir

    • Ricardo C. disse:

      Aline, esse conto tinha outro título: “Bem depois de Descartes, bem antes de Matrix”… 😉

      Resolvi mudar pq achava muito “cultura pop”. O atual me agrada mais, acho mais esquisito (e gosto dele por isso!) e é menos “explicativo”(?!) do que o anterior, hehe!

      Que bom que gostou!

      Curtir

  25. Pingback: Ricardo C.

  26. Camila S. disse:

    Acho que vou imprimir esse conto e levar sempre comigo pro caso de algum Salvador resolver invadir a minha bolha pessoal.

    Curtir

  27. Duchess disse:

    Ágora comigo também!

    Curtir

  28. rayssa gon disse:

    muuito bom. muuito bom mesmo!

    não sei pq não estou recebendo os feeds desse blog. que tristeza!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s