Determinismos

Sem saber muito bem do que se tratava, entrou numa página de psiquiatria. Viu de cara a sigla DSM.IV com o significado por extenso logo abaixo e agradeceu à mãe por não deixar que largasse o curso de inglês. Não se fez de rogada: clicou em todos os linques e perambulou por várias categorias de que nunca ouvira falar, até que os seus olhos pousaram no que viria a ser o seu maná. Dizia:

Transtornos emocionais com início especificamente na infância

Excitada, rolou a barra lateral para baixo, até aquela enorme pepita de ouro:

F93.3 Transtorno de rivalidade entre irmãos

A maior parte das crianças pequenas fica perturbada pelo nascimento de um irmão ou de uma irmã. No transtorno de rivalidade entre irmãos, a reação emocional é evidentemente excessiva e se acompanha de uma perturbação do funcionamento social.

Pronto, agora já podia matar aquela vaca.

Anúncios
Esse post foi publicado em literatices e escrivinhações, tolices e marcado . Guardar link permanente.

7 respostas para Determinismos

  1. Vanessa disse:

    A minha me fez virar mãe antes da hora.

    Cuido dela até hoje, maldita!

    Curtir

    • Ricardo C. disse:

      Caramba, vc me deixou curiosíssimo à respeito da tua irmã. Que poder ela teve, hein? E não fosse por te saber ateia, me arriscaria a te perguntar: por acaso a sua irmã não seria o Espírito Santo? 😛

      Curtir

  2. Pingback: Ricardo C.

  3. Vanessa disse:

    Ela exerceu poder, Ricardo. Hoje não mais (Hj é o contrário!)

    Mas é pq minha mãe vivia na cama, rendida aos remédios e a depressão…Daí que tive que tomar o rumo da maternidade aos 10anos/+ou-; e minha irmã é 4 anos mais nova. O que de certa forma me foi extremamente nocivo, pois me sentia *A* mulher ainda aos 14.

    Acreditava ser madura o suficiente e dona do meu próprio nariz – e nunca me vi como adolescente. Tanto que me tornei mãe, gerando minha própria prole, aos 15 anos.

    E somente hoje reconheço o tanto que atropelei e que estou tendo que resgatar para ENFIM amadurecer…

    Curtir

    • Ricardo C. disse:

      Caramba, Vanessa, que barra não há de ter sido. Mas se há algo de bom que eu possa destacar nisso tudo, é o fato de que você se mostra atenta à necessidade de um certo tipo de resgate de si mesma, de uma Vanessa que ficou pelo caminho, sem o devido cuidado, e que se continuasse não sendo “ouvida”, cobraria isso de você, entre outras coisas, interferindo nas situações em que a imaturidade dela não coubesse.

      Mais do que isso, sem te conhecer, não seria nem um pouco correto de minha parte aventar qualquer tipo de observação ou avaliação. E como não sou bom de bola, chutes não são propriamente a minha especialidade…

      Bjs

      Curtir

  4. flavia disse:

    KKKKKKKKKKKKKKKKKK
    Danou-se!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s