Joga pedra na Geni… Êpa, mas a Geni somos nós!!

Gaivotas atacam baleias na Patagônia,

… e parece que a nossa espécie tem culpa no cartório, mais uma vez.

Se bem que isso está acontecendo na Argentina, então… deixa pra lá, a piada é ruim.

(Mudando de assunto, tamanho não é documento mesmo, não?)

Anúncios
Esse post foi publicado em notícias, vídeos e marcado , , , . Guardar link permanente.

13 respostas para Joga pedra na Geni… Êpa, mas a Geni somos nós!!

  1. Monsores disse:

    Tem uma solução bem maquiavélica pra isso, Ricardo.
    Algum chef pode criar uma iguaria com comida de gaivota. Ninguém pode saber que é uma boa causa. A Ana Maria Braga argentina – tem que haver uma – deve dar a receita e dizer que é chiquérrimo. Os restaurantes mais badalados de Buenos Aires devem servir o prato e cobrar horrores.

    Aberta a temporada de caça as gaivotas. Fernão Capelo que se cuide.

    Um abraço

    Curtir

    • Ricardo C. disse:

      Nada como um olhar ecológico-comercial frente ao trágico, Monsores, só você mesmo, hehehe!

      Curtir

      • Monsores disse:

        Pois Ricardo, uma vez eu sugeri que arrendassem a Amazônia em lotes para os Japoneses cuidarem da floresta e ganharem dinheiro com o mercado livre de carbono e me acusaram de porco capitalista.

        Ora, já está mais que provado que a maior motivação coletiva (ou mesmo individual) dos seres humanos é a grana. Se eu te digo que reciclar é importante, etc e tal, você pode até reciclar. Mas se eu disser: passo amanhã pra buscar o teu lixo reciclado e deixo um cheque. Não tem quem não recicle.

        É triste, ou não…

        Curtir

  2. Monsores disse:

    A propósito, eu posso fazer uma imagem de testeira bonita pro seu site?

    Curtir

  3. Luiz disse:

    Piada ruim sobre a Argentina?

    Isso existe?

    Só se for aquela da bala perdida…

    Curtir

  4. Monsores disse:

    Ok, eu vou tentar. Espero que consiga.

    Um francês, um brasileiro e um argentino estavam numa dessas viagens de negócios, apesar de não se conhecerem direito, através do interior de Santa Catarina. Ao passarem por Urubici a caminho de Lages, caiu uma enorme tempestade. O brasileiro que conhece bem a região sugeriu então que parassem e pedissem abrigo em alguma estãncia.

    Ao chegarem lá, o dono da estância, muito solícito, deu abrigo para eles, mas explicou que só possuia um quarto de hóspedes com duas camas, mas que alguém poderia dormir no estábulo com seu cavalo. O brasileiro que gostava muito de equinos levantou na hora e se ofereceu para ir dormir com ele.

    Passados vinte minutos ele bateu na porta do quartinho, tremendo de frio e de medo dizendo que infelizmente não conseguiu porque uma goteira cismava em bater em sua testa. Nesse momento, o alemão levantou, cedendo lugar ao brasileiro, dizendo que ia dormir com as vacas, já que gostava muito dos bovinos. E que não havia problema algum.

    Vinte minutos mais tarde, o alemão bate na porta dizendo que lamentava muito, mas que a vaca não parava de peidar e que era impossível dormir lá.

    O argentino que até então não se ofereceu para nenhum sacrifício tomou a decisão – incrível, eu sei – de ceder lugar ao alemão e ir dormir com o único porco da estãncia. Disse que gostava muito dos suínos.

    Cinco minutos depois o brasileiro e o alemão ouvem baterem na porta. Quando abrem, lá estava o porco.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s