“Não, eu não penso na morte o tempo todo. Mas, o tempo todo, a morte pensa em mim”

O homem se chama Bert Keizer. É um caso raro de médico que é filósofo. Ou filósofo que é médico. Formou-se em Filosofia na Inglaterra. Em seguida, decidiu estudar medicina, na Holanda, no início dos anos setenta. Formado, passou uma temporada no Quênia. Desde o início dos anos oitenta trabalha com pacientes terminais.

Pai de um casal de filhos, Bert Keizer pratica eutanásia, quando um paciente terminal lhe pede. Ou seja: ajuda o paciente a morrer. O debate jamais terminará: um médico — o profissional encarregado de zelar a todo custo pela vida — deve ou não apressar a morte de um paciente? Deve, sim, se médico e paciente estiverem na Holanda.

Keizer faz um cálculo aproximado: já deve ter tratado de cerca de 1.500 pacientes terminais. Destes, 25 optaram pela eutanásia. Pediram — e receberam — ajuda do médico para que morressem logo.

Esse é um trecho da entrevista que o Geneton fez com ele. Mesmo que você queira distância do assunto, faça o favor de clicar aqui e ler a entrevista inteira.

Anúncios
Esse post foi publicado em Enlaces e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para “Não, eu não penso na morte o tempo todo. Mas, o tempo todo, a morte pensa em mim”

  1. Guilevy disse:

    Simples, não?
    Ironicamente, uma bela lição de vida (ai meus clichês).
    Acho que mudo para a Holanda.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s