Reminiscências [2]

Lembrança parcial (se bem que todas são), mas lembrança simpática.

Festa à fantasia, início dos 80, Lago Norte, Brasília (na época, só não era mais longe que o Park Way). MPB da boa, o momento era “raiz” e anti-imperialista. (Ué, isso não é o Posto 9 e a Lapa carioca dos dias de hoje?!?).

A banda “Fio de Prumo” fazia as honras da casa e dava o tom, mesmo que desfalcada. Por alguma razão desconhecida, o baterista, um indefectível festeiro, não aparecera. Só no dia seguinte soube-se dos motivos de seu sumiço, ao ser localizado em casa, de cama, todo lanhado e cheio de curativos. No chão, partes da fantasia de galinha que arrumara para ir à festa. (O resto ficara no hospital, grudado em nacos de joelho, cotovelo e queixo, àquela altura a caminho de algum aterro sanitário.)

A explicação do misterioso sumiço:

Vestido com a tal fantasia de galinha, resolveu tomar um ácido. Não demorou muito e acreditou-se um condor, subiu numa encosta e lançou-se ladeira abaixo batendo tenazmente as asas, mas não decolou.

Finalmente aprendeu que galinha não voa.

(Agora, convenhamos, “condor” em Brasília? Que ácido era  esse?!?!)

[Na foto: Rocky, um galo, personagem
do filme de animação “Chicken Run”]
Anúncios
Esse post foi publicado em humor, memórias e marcado , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Reminiscências [2]

  1. Luiz disse:

    Ora, Ricardo, o cara virou mesmo um condor…

    Com dor aqui, com dor ali…

    🙂

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s