5 respostas para Tudo é dança, Pina diz. Tudo diz, danço eu.

  1. Nat disse:

    Ricardo, você acha que uma boa ação pode justificar um motivo torpe? Um meio de transporte errado sempre nos leva a um lugar que não queremos ir ou pode ser que ele somente escolha um caminho diferente?

    Curtir

    • Ricardo C. disse:

      Nat, confesso: não entendi. Deixo a vc minha incompreensão:

      “Boa ação” corresponde a “intenção”? (E em referência a “de boas intenções o inferno…”?) Ou igual a “fim”? (No sentido de “o fim justifica os meios”?)

      O que vc quer dizer com “meio de transporte errado”? O que o definiria como “errado”?

      Em outras palavras: posso te pedir para reformular as suas perguntas?

      Curtir

  2. Nat disse:

    Foi mal, Ricardo, estava com um pensamento na cabeça e despejei-o-o do jeito que apareceu. Depois de fazer um comentário com uma pessoa lá do PD no MSN eu acrescentei: _ O Ricardo diria que isso é minha eterna fuga do sentimento de culpa.

    Eu estava falando sobre deixar de fazer algo, não porque me faz mal, mas porque eu preciso ter o controle sobre quando e como parar, antes que eu me sinta culpada por não ter parado…

    Quando eu quis dizer boa ação foi no sentido de deixar de fazer algo que me faz mal, mas que eu acho que me faz bem. E o motivo torpe era esse, deixar de fazer algo não porque me faz mal, mas porque eu não quero que alguém me diga que eu estou errada fazendo aquilo.

    O Meio de transporte, eu acho, foi uma analogia com a maneira pelo qual eu escolho um caminho. Teoricamente ao escolher um caminho, eu tenho a mesma probabilidade de que ele me leve a um lugar bom ou ruim. Mas quando eu sei que o caminho é ruim, será que ele pode me levar a algum lugar bom? Ou quando eu chego a um lugar bom, inconscientemente eu troquei de caminho?

    Boas intenções não são necessariamente o único meio para que se faça a coisa certa, foi a conclusão que eu cheguei. E isso me assusta.

    Curtir

  3. Nat disse:

    Bem, ainda acho que não me expressei claramente. Não nasci com uma habilidade sintética muito grande…

    O que eu quiz dizer é que pra física, ação é energia x tempo. Pra filosofia, a ação é intenção x ato.

    Para ação ser ação ela somente precisa existir, mas pra ela ser boa ou ruim, tem que haver um receptor. Não basta a intenção do autor, ela tem que ser recebida da mesma maneira que enviada.

    Se numa ação para a própria pessoa a intenção for ruim e o ato for bom, é possível que a ação seja boa e ruim ao mesmo tempo, não? Como viver com essa dicotomia? ;- )

    É nisso que dá o final de semana, muito tempo pra pensar em coisas assim hehehe

    Curtir

  4. gugaalayon disse:

    quem não se communicare se estrummbicare

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s