Viperinices

Cidade do México, nos anos oitenta de sempre. Universidad Nuevo Mundo, onde o meu então cunhado estudava psicologia, único representante masculino de uma turma de 30. Numa ocasião especial que não sei a que se referia, boa parte de suas colegas apareceram em sala de aula com seus respectivos namorados/noivos/maridos. Foi quando Diana — o nome era outro — virou-se para um dos rapazes e disparou a queima-roupa:

Fulano, o que é mais importante pra você, o tamanho ou a habilidade?

O rapaz, sabendo-se numa turma de estudantes de psicologia, e com boa parte das vinte e oito restantes de olho no que ele diria, respondeu com um sorriso confiante:

A habilidade.

Hmmm, mais um com o pau pequeno** —, sapecou Diana, já de costas para ele, certa de que murchara a confiança do rapaz, e não só aquela estampada em seu rosto.

____________________

** O original em espanhol: “Otro que lo tiene chiquito…”

Anúncios
Esse post foi publicado em memórias e marcado . Guardar link permanente.

4 respostas para Viperinices

  1. lu disse:

    ahahahah, esse é o tipo de garota que é ótimo ter em toda festa!
    e não sei o motivo, mas em espanhol fica ainda mais engraçado hahahah

    conheço uma mulher dessas que gosta de dirigir cortando todo o mundo, agressiva, apostando corrida. quando algum coitado tenta a fechar ou fica bravo com ela – coisa que acotece sempre, ela tem dois modos muitíssimo eficientes de aborrecer ainda mais o cara: ou manda um beijinho com a mão, enquanto o ultrapassa, ou faz um gesto com o indicador e o dedão indicando que “é desse tamaninho”…
    eu não sei como ela ainda tá viva!

    Curtir

    • Ricardo C. disse:

      Lu, verdade, em espanhol tem mais graça, é super eficaz na depreciação do outro e sem nem precisar recorrer à palavra “pau” ou congênere…

      E muito tempo atrás, eu, que costumo ser (razoavelmente) cordato e cumpridor das regras básicas do trânsito, fui fechado por uma mulher parecida com essa sua conhecida. Ela não apenas me fechou, mas depois chegou a subir na calçada para passar à frente de todos com mais velocidade, não sem antes me mandar um beijinho “carinhoso”, daqueles fechando os olhinhos… É claro que fiquei pê da vida! E sendo franco, preferiria que que ela tivesse me mostrado o dedão, pois teria me desarmado e eu acabaria rindo, com o mau humor indo para as calendas (expressão do tempo da tua bisavó!).

      Curtir

  2. confetti* disse:

    os muito pequenos que me perdoem,mas tamanho é fundamental !!
    habilidade se adquire….:-))

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s