Devolva-me

— Senhorita, eu gostaria de falar com o Venerável.

— O Venerável está meditando, recarregando-se de prâna, para depois doá-la aos fieis. Mas… não foi a senhora que esteve com ele na semana retrasada, pedindo-lhe que a fizesse sair das trevas e voltar a enxergar de novo?

— Foi sim.

— Então a senhora veio agradecer o milagre? Não precisava, o Venerável não carece de agradecimentos, ele sabe muito bem que é apenas um veículo para auxiliar os outros a liberar-se do Samsara e…

— Eu quero parar de enxergar.

— Ahn?!?!

— Vou repetir de outro jeito: quero voltar a ser cega!!

— Mas por quê??

— Minha filha, nem vou cair nessa bestagem de que o mundo tem muita coisa feia, que isso eu sempre soube. Acontece que quando o Venerável me fez enxergar de novo, jogou fora todas as neuras que eu construí nos últimos trinta anos. Um trabalhão danado, foi tudo pro lixo! Você não sabe a dificuldade que não foi fazer a minha irmã mais velha cuidar de mim nesses anos todos, e ainda por cima que ela se sentisse culpada por eu ser a cega e não ela. Sem falar na pensão de papai, que ficou toda pra mim, e da baixela de prata da bisa, que, de tanto dó, aconteceu de vovó ter que me dar, mesmo tendo prometido que ia ser pro primeiro neto que casasse, que foi o meu irmão… Pois fazfavor, diga ao Venerável que eu vim pegar de volta a cegueira, as minhas neuras e a culpa da minha irmã, e que baixela de prata pode deixar pra lá, que essa eu já dei por perdida.

Anúncios
Esse post foi publicado em literatices e escrivinhações e marcado , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Devolva-me

  1. pingwyn disse:

    Bem dizia Clarice Lispector….”Nao pense que a pessoa tem tanta forca assim a ponto de levar qualquer especie de vida e continuar a mesma. Ate cortar os proprios defeitos pode ser perigoso – nunca se sabe qual e o defeito que sustenta nosso edificio inteiro…”

    Curtir

  2. Ricardo C. disse:

    Fico pensando sempre nessa tendência a medicalizar tudo, a buscar uma pretensa felicidade como modelo, padrão, que acaba virando uma camisa de força e um convite a sentir-nos mal por estarmos longe de chegar nesse patamar…

    Curtir

  3. pingwyn disse:

    preguica talvez?? Mais facil seguir um modelo, um padrao do que descobrir o que nos faz ser/estar feliz. Melhor nos restringir, nos limitar do que termos a liberdade…liberdade pode ser perigosa demais para quem esta acostumado a camisas de forca.

    Curtir

  4. Ricardo C. disse:

    Liberdade implica em abertura ao novo, ao desconhecido, à falta de garantias, ao risco… Nem sempre as pessoas estão dispostas a isso, não é?

    Curtir

  5. pingwyn disse:

    E o que pode ser mais gostoso do que o desafio do desconhecido, da falta de garantias, do incerto, do risco.Essa liberdade e maravilhosa….Acredito que na hora que perdemos a coragem de encarar esses desafios…morremos.Afinal, nao e isso o que chamamos de Vida??

    Curtir

  6. Pingback: Ricardo C.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s